História do Vestido de noiva

O vestido de noiva é um dos signos mais emblemáticos do casamento, refletindo os costumes de um povo e simbolizando, de modo deslumbrante, o amor do casal. 

Um traje especial para um dia não menos importante. Independente da conotação – amorosa, comercial, familiar ou religiosa, o casamento é uma das ocasiões mais importantes na vida do casal. E para a mulher a escolha do traje sempre esteve ligada à importância que se da para esta cerimônia. A expressão “vestido de noiva”, segundo alguns historiadores, surgiu na Idade Média. Mas mesmo sem ter a consciência de uma peça exclusiva para esta data, as mulheres, já nos relatos bíblicos, sempre estiverem preocupadas em como se apresentar para a sua comunidade. 

Os relatos históricos mais antigos que se têm notícia são da Grécia, onde as mulheres se vestiam de branco e usavam uma coroa, pois deste modo, quando estavam a caminho da casa do noivo, recebiam as bênçãos de Himeneu, o deus do casamento. O rosto também era coberto com véu (que protegia da inveja, mau olhado e a cobiça de outros homens) e a jovem carregava uma tocha (símbolo do deus). 

Noiva grega

Foram com os romanos civilizados que surgiu a concepção de se criar trajes inéditos e diferenciados para a cerimônia do casamento. As romanas vestiam uma túnica branca e se envolvia com um véu de linho muito fino de cor púrpura, que levava o nome de flammeum. Nos cabelos, tranças ornadas com flores de verbena. 

Escultura figurativa de uma noiva romana e acompanhantes

Após a queda do Império Romano a referência passou a ser a corte bizantina, onde as noivas se casavam com sedas vermelhas bordadas em ouro e traziam no cabelo tranças feitas com fios dourados, pedras preciosas e flores perfumadas. 

Na Idade Média a consolidação do cristianismo impôs ao matrimônio uma carga religiosa sacra, que perdura, em parte, até os dias de hoje. Surge o vestido de noiva, propriamente dito, com uma simbologia de poder e com uma função social determinada. A noiva era apresentada à sociedade com todas as suas jóias – broches, tiaras, braceletes, vários colares e muitos anéis (podendo ser mais de um em cada dedo), com um vestido vermelho ricamente bordado e sobre a cabeça um véu branco bordado com fios dourados. O vermelho remetia à capacidade da noiva de gerar sangue novo, dando continuidade ao clã, e o véu falava da sua castidade. 

Avançando um pouco mais na história, chegamos às noivas burguesas, de uma classe recém criada e que queriam mostrar todo o seu poderio frente à nobreza. Ela era mostrada com o ventre saliente, demonstrando a sua capacidade de procriar. 

Casal Arnolfini, tela mais famosa do pintor Jan van Eyck, que para muitos historiadores registra um matrimônio burguês

Já a noiva do Renascimento, em conseqüência da ascensão da burguesia mercantil, passou a se apresentar com mais luxo, em vestidos de veludo e brocado, ostentando o brasão de sua família e as cores da família de seu noivo. 

E neste momento entra em cena a thiara, que passa a ser um adereço obrigatório, antecedendo a conhecida grinalda dos dias de hoje. Uso de anéis era importante para demonstrar o poder financeiro do novo casal. 

A corte católica espanhola, no final do Renascimento, determina o preto como cor correta a ser usada, como sinal de moral religiosa. No sul do Brasil sob influência da imigração alemã e em outras regiões do interior do país, as famílias guardam retratos de noivas que, até por volta de 1910, casavam de negro. 

Mas o interessante é que neste período, de imposição de um tom escuro para as noivas, é que surge o tradicional vestido branco, vigente até os dias de hoje, reinando absoluto como sinal de bom gosto e elegância. 

Existem três teorias para o surgimento do branco. Uns afirmam que a primeira a se vestir de branco foi a italiana Maria de Médici, que aos catorze anos se casou com o herdeiro do trono francês, Henrique IV. Era católica, mas não concordava com a estética religiosa, e escolheu um brocado branco para demonstrar toda a exuberância de sua corte. Mas o grande efeito foi causado pelo decote quadrado com o colo à mostra. “Rica veste branca, ornada em ouro, que mostrava o candor virginal da noiva” – foram as palavras escolhidas por Michelangelo Buonarote, grande artista da época, para descrever o vestido. 

Casamento de Maria de Médici e Henrique IV por Peter Paul Rubens

Para outros historiadores a pioneira foi a rainha Mary Stuart, da Escócia, que escolheu o branco em homagem à família Guise, se sua mãe, que tinha a cor branca no brasão. Isto no Século XVI. 

Uma terceira corrente afirma que a rainha Vitória da Inglaterra passou a ditar moda após se casar com o príncipe Albert, no século XIX, com um esplendoroso traje, com vestido e véu brancos e sem coroa, o que foi inédito. Vale dizer que de todos os casamentos históricos citados este foi o único que aconteceu pela existência de um amor recíproco e por ser rainha foi ela quem pediu o amado em casamento. E não a nada mais vitoriano do que o vestido bolo-de-noiva. 

Casamento da Rainha Vitória da Inglaterra

No período Rococó os vestidos passaram a ser confeccionados com tecido brilhantes, brodados com pedrarias, com babados de renda nas mangas e decotes. As cores prediletas eram as florais em tons pastel. Peculiarmente as noivas usavam um peruca conhecida como Pouf de Sentimento, onde era colocado um cupido, o retrato do noivo, frutas e verduras que representavam a abundância para o novo lar. 

A discrição e o puritanismo chegou com a Revolução Francesa. Ao traje branco, símbolo do caráter e da pureza virginal da noiva, ganhou acessórios: véu branco e transparente, significado de sua castidade, preso à cabeça por uma guirlanda de flores de cera. O linho, a lã e os tecidos opacos passam a ser mais adequados. 

Desde então o traje nupcial é branco, sendo que as variações existentes acontecem no formato, corte e volume, de acordo com a moda corrente. Não podendo deixar nunca de ser o mais luxuoso que uma mulher usará em toda a sua vida. 

O papa Pio IX declarou que as noivas deveriam usar o branco como símbolo da Imaculada Conceição, do mesmo modo de Maria, a Imaculada. A noiva do Romantismo passa também a usar um adereço de mão, que poderia ser um terço ou livrinho de orações. Com o Iluminismo, no final do Século XIX, o branco ganha mais uma interpetração: a idéia de luz, e a noiva agrega ao seu traje a flor de laranjeira, sinônimo de fertilidade. 

O estilo Liberty impôs que a noiva fosse uma flor: pura como o lírio, nobre como a rosa, delicada como a margarida, apaixonante como a orquídea. Nas mãos um buquê de flores colhidas no dia. A noiva que melhor representa este período foi a princesa Sissi, que se tornou Imperatriz da Áustria ao se casar com Francisco José, em 1854. 

Imperatriz Sissi, que teve a sua vida encenada em um dos maiores clásicos de Hollywood, o filme “Sissi, a Imperatriz”, de Ernst Mariscka

“No século XX o traje nupcial acompanhou toda a evolução da moda, acompanhando o sistema de alta costura que vestiu todas as princesas do século e foi divulgado pelas revistas e figurinos de moda e posteriormente pelo cinema e pela televisão. 

Se o vestido da noiva nasce como símbolo do patrimônio das famílias, da fertilidade da esposa e da paixão entre o casal, hoje estes símbolos estão sendo resgatados e projetados para o século XXI. Os atuais vestidos de noiva têm sido apresentados nas cores da paixão, da pureza e adornados de múltiplas flores remetendo a todo tipo de fertilidade amorosa. Mais do que nunca, estes vestidos têm sido apresentado com tecidos luxuosos, brilhantes e bordados e sua alta carga simbólica continua a representar o papel da mulher dentro da instituição do casamento, hoje vista não como representação do patrimônio familiar paterno, mas como uma parceira à altura das competências do marido como provedor.” (de Queila Ferraz

É com toda esta carga histórica, que há 54 anos o ateliê Maria Devoz Noivas vem construindo verdadeiras obras de arte em matéria de vestidos de noiva. A noiva Maria Devoz é clássica, chique, elegante, uma verdadeira rainha em seu dia de deslumbre. 

A elegância e o glamour da noiva em um vestido Maria Devoz

 

P.S.: Aguardem que nós próximos posts falaremos das noivas que marcaram época no Século XX.

16 ideias sobre “História do Vestido de noiva

  1. FABIANA SANTOS BOTELHOf

    Foram felizes para sempre como manda a tradição do casamento, ser feliz é o que importa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>